Monumentos revelam parte da história da Capital mais nova do País

Monumentos revelam parte da história da Capital mais nova do País

Um passeio pela Capital mais nova do País permite conhecer um pouco da sua recente história, que completa 27 anos nesta sexta-feira, 20. Planejada, a construção de Palmas começou no dia 20 de maio de 1989, com o lançamento de sua Pedra Fundamental. A cidade traz monumentos que marcam importantes momentos e fatos interessantes.

Os monumentos possuem um grande valor simbólico e de perpetuação da memória e da história de uma cidade. “Eles possuem um poder mítico de nos remeter à busca de conhecimento, e essa é uma riqueza que temos que exercitar e incentivar sempre”, aponta Melck Aquino, superintendente de Desenvolvimento da Cultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Turismo e Cultura (Seden).

O Palácio Araguaia, sede do Poder Executivo Estadual, abriga painéis históricos, localizados na entrada do prédio, em que é possível ver cenas que retratam a instalação de Palmas. Feitos em cerâmica vitrificada, cada painel possui 32 peças dispostas na linha horizontal e 48 na linha vertical. Os traços das obras vão do expressionismo ao cubismo.

A maior praça da América Latina, a Praça dos Girassóis, foi palco de momentos marcantes para a cidade. Entre eles está a primeira missa realizada na Capital, atualmente marcada pelo primeiro monumento histórico erguido em Palmas, chamado de Cruzeiro. A cruz em pau-brasil foi tombada como Patrimônio Cultural do município, em 2000.

Outros monumentos colocam Palmas em destaque em relação a outras cidades. A Rosa dos Ventos, por exemplo, marca o ponto central entre os extremos do Brasil, marcando a cidade como o Centro Geodésico do País. A Rosa dos Ventos encontra-se no hall de entrada do Palácio, mas existe outra, em tamanho maior, na ala norte da Praça dos Girassóis, desenhada em pedras portuguesas.

Na Praça dos Girassóis ainda encontra-se o maior relógio de sol horizontal do País, com seis metros de altura e sessenta de diâmetro. O ponteiro, com quatorze metros de comprimento voltado para o sul marca as horas e os meses do ano. Durante a noite, o relógio ganha outra função. A haste do ponteiro permite ver a movimentação da constelação do Cruzeiro do Sul.

Palmas também foi presenteada com um dos projetos de Oscar Niemeyer, arquiteto brasileiro mundialmente reconhecido. O Memorial Coluna Prestes ocupa uma área de 570 m² e a arquitetura é marcada pelas curvas sinuosas característica de Niemeyer. Na rampa de acesso à entrada pode-se apreciar uma escultura em bronze do “Cavaleiro da Luz”, representando Luiz Carlos Prestes.

“Para uma cidade jovem como Palmas, não só do ponto de vista arquitetônico, da frieza das edificações, mas fundamentalmente por termos uma proporção de jovens muito superior do que outras capitais do país, preservar e mesmo pensar na construção de novos monumentos tem seu apelo turístico, mas em especial uma importância do ponto de vista pedagógico e cultural”, ressalta o superintendente Melck Aquino.

FONTE: SECOM Tocantins   |    Foto por: Washington Luiz    |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *